Estorvo

Estorvo A campainha insiste o olho m gico altera o rosto best seller atr s da porta e compre o narrador inicia chico buarque uma trajet ria obsessiva livraria pela qual depara com situa es e Estorvo persona

  • Title: Estorvo
  • Author: Chico Buarque
  • ISBN: 9788535905151
  • Page: 500
  • Format: Paperback
  • A campainha insiste, o olho m gico altera o rosto best seller atr s da porta e compre o narrador inicia chico buarque uma trajet ria obsessiva, livraria pela qual depara com situa es e Estorvo personagens estranhamente familiares.Narrado em primeira pessoa, Estorvo se mant m constantemente no limite entre o entretanto sonho e a vig lia, premiado proje es de um chico buarA campainha insiste, o olho m gico altera o rosto best seller atr s da porta e compre o narrador inicia chico buarque uma trajet ria obsessiva, livraria pela qual depara com situa es e Estorvo personagens estranhamente familiares.Narrado em primeira pessoa, Estorvo se mant m constantemente no limite entre o entretanto sonho e a vig lia, premiado proje es de um chico buarque desespero subjetivo e sucesso cr nica do cotidiano E o olho Estorvo m gico que filtra o rosto do visitante misterioso talvez seja a melhor met fora da autor vis o deformada com que leitura o narrador, e chico buarque o leitor com compre ele, seguir sua odiss ia Estorvo Pr mio Jabuti 1992 de Melhor Romance

    One thought on “Estorvo”

    1. Depois de ler Budapeste, estava curioso por ler a obra, logo a primeira, que lhe valeu o prémio Jabuti. O autor descreve uma série de poucos dias na vida de um anónimo em perpétua fuga. Tal como o título sugere, este homem é um estorvo da sociedade. Quase nada é revelado do seu passado e a história inicia-se como se tivéssemos subitamente encarnado no personagem principal, que inicia a fuga, e não pára mais até ao final. Mas não é conclusivo.Um pouco como Sampsa na Metamorfose e Me [...]

    2. Una novela extraña donde las palabras surgen con prisa y logran trasmitir desasosiego cuando es necesario, es decir, en toda ella. El autor tiene una forma hermosa y particular de centrarse en el detalle, describiendo recuerdos que se mezclan con la fantasía y ésta con la realidad concurrente, tal y como nos ocurre habitualmente a los que somos algo soñadores. No obstante, el protagonista no parece soñar, más bien delirar, haciendo esfuerzos semi-fructuosos por contar su historia. Es una n [...]

    3. Me prendeu mais que Benjamim e me entusiasmou menos que Leite Derramado. O protagonista, que não tem nome, nem bem vive nem morre, vagueia. Vagueia perdido, obsessivo não se sabe bem com o quê e contemplando a hipocrisia e a decadência da sociedade em que vive, da irmã e da mãe que o sustentam, da ex-mulher, dos ex-amigos, do ex-apartamento, enfim, tudo em sua história falhou ou foi perdido. Esse homem é o estorvo do mundo em que vive.Resumido assim parece uma história deprimente de um [...]

    4. Here's a scene that gives the essence of this book: A character is knifed in the stomach in a dispute. He has no money, so he boards a bus, thankful that the bus driver takes pity on his condition and does not charge him the fare. Bleeding, he rides the bus, hopeful that at the end of the ride someone else will pity him and give him change to call his mother. It is fitting that the theme of this book is really the contrast between the ultra-rich and the poverty stricken. After all, this is Brazi [...]

    5. Leitura muito díficil. Vale pelo que descreve mas não pelo que narra. Um excelento uso da língua portuguesa, com uma riqueza de figuras de estilo acima da média. Tem situações muito caricatas, no limite entre o rídiculo e o non-sense, que são muito divertidas de ler mas fazem com que o fio da história se vá perdendo e enrolando, até já não termos qualquer expectativa em relação ao seu fim, sentindo que é plausível que termine a qualquer momento.O livro não é, então, uma hist [...]

    6. Muito, muito estranho, mas dá para ver que o escritor escreve muitíssimo bem e consegue manter um bom ritmo narrativo, alucinante e constante. Não tem momentos mortos, apetece sempre ler mais e mais.

    7. Sometimes I have a feel that life is surreal the protagonist in this story might have the same feeling if he ever stopped for a minute to think.

    8. The Kafka of Brazil turns out to be a bossa nova pop singer. Chico Buarque has released too many albums to count, and a singular debut novel, Turbulence. An unnamed protagonist proceeds with no apparent purpose through landscapes of menace and decay. Stabilizing societal norms no longer apply. Buarque’s narrative is linear but seems to go nowhere, and inverts reality all along the way. A feeling of queasy apprehension comes in early, and it’s not easily calmed even after Turbulence is done.

    9. Eu vi nisto uma espécie de Húmus, motivo que me levou a apressar a leitura. Vi mal, certamente, lavei os óculos, sequei-os, voltei a pô-los. Húmus é um grande salto, Raul Brandão está no ramo mais alto da árvore, mas este Estorvo não está assim tão mau.

    10. Este romance de Chico Buarque trata o percurso de um homem do qual, se não me engano, nem chegamos a saber o nome, que reage de forma passiva aos eventos que lhe sucedem, agindo aparentemente de forma bastante aleatória, por motivos incompreensíveis ao leitor. Não deixa de nos fazer pensar e seguramente também não nos deixa indiferentes perante a disfuncionalidade de uma existência que não é mais do que um estorvo para o personagem. Gostei da escrita poética do escritor; por vezes pode [...]

    11. Estorvo no verdadeiro sentido da palavra.A personagem deste livro é simplesmente angustiante. Um autêntico parasita. Sem eira nem beira. Ele próprio nem sabe quem é. Anda à deriva de um lado para o outro e só trás mal a quem se dirige.As descrições de algumas das situações provocam um peso no estômago quando me dispus a pensar que haveria com certeza situações assim na vida real.Adorei algumas das expressões que parecem transformarem-se com o sotaque brasileiro de quem as escreveu [...]

    12. Vejo a multidão fechando todos os meus caminhos, mas a realidade é que sou eu o incômodo no caminho da multidão.

    13. Não se lhe conhece o nome, mas esta é a sua história. Começa com o tocar de uma campaínha, seguido por um espreitar pelo olho mágico e, todas as acções seguintes, são uma sequência de acontecimentos que aparentam não estar ligadas e não fazer qualquer tipo de sentido.Esta é a história de um homem só que, após não ter aberto a porta a um homem que não certeza que conhece, saí de sua casa e deambula por lugares e vive situações que parecem saídos de um sonho. "() E eu pergunt [...]

    14. Escrevo isto em cima da morte do livro aos meus olhos, que se findou noite passada, 1 da manhã. O que conta estorvo? A história de um homem sem rumo que vagueia entre cidades, um malandrão de primeira apanha, um marginal calmo que se revolve na imundície da sociedade porque sim, porque sabe que é marginal e é um estorvo para todos os que gostaram dele. Desiludiu tudo, roubou, fugiu, é, portanto, um herói pícaro que se confessa sem remorsos, sem debates de consciência. A sua vida é um [...]

    15. Esta obra fala de um homem sem nome, um homem só, a confessar as suas memórias em cada página, a prender as suas cobardias sem sentido na intenção dos seus próximos passos. É considerado o estorvo para a mãe, para a irmã, para o cunhado, para o seu melhor amigo, para a ex-mulher, para a antiga casa de família. Um prisioneiro e uma sobra de uma vida que passou. No fundo, um solitário que conta a sua história, na primeira pessoa, sem ter mais nenhuma para contar senão a história falh [...]

    16. Eis a minha estreia com Chico Buarque!A narrativa inicia-se com a apresentação deste personagem que se depara com alguém a bater-lhe à porta, alguém de quem a personagem foge e não mais pára até ao final do livro.O livro é um encadear de cenas de fuga e devaneios por parte do personagem, que conjectura situações e hipóteses consoante o dilema que se lhe apresenta, no entanto, o encadeamento entre as cenas não é nenhum, acontecem simplesmente, e é com elas que percebemos que este h [...]

    17. Herói ou vilão? Aquele que rouba, foge, é duro de sentimentos, transporta droga, pilha jóias. Um grande bandido! Que não olha a meios, assalta a irmã e foge.Mas ao jeito descontraído e sereno do bom malandro brasileiro. Imagino-o franzino, de calça branca e chapéu de palha. Um caninho de trigo ao canto da boca ou um palito. Mulherengo, mas trapalhão. Aquele que corre ao primeiro sinal de perigo, que se esconde no meio do mato. Esperando que o perigo passe.Chico Buarque, no seu livro "E [...]

    18. Read an English translation of "Turbulence" fantastically written,dealing with issues of wealth gaps.Phenomenal detail which like Ballard and Lynch reveals the underside of "the normal"Reminded me most of Sarte's Nausea which I read years ago, but I experienced a similar alienation with the dense prose which I had to read an rereadPerplexing and wonderful

    19. Confesso que não me cativou :-(Tenho alguma dificuldade em ler "brasileiro" e além do mais esta edição tem um grafismo estranho (em vez de "ó" aparece "ú" e penso que em vez de "é" aparece "ó")Sendo um livro de bookcrossing, fica disponível para quem manifestar interesse em o ler ou para oferecer por sorteio

    20. O voo alucinado de um personagem narrador pelas suas memórias vividas ou simplesmente contadas como deveriam ter acontecido. Por vezes existe demasiada fatalidade no presente para que isso não resvale para o futuro. Porque as coincidências resultam de um destino simétrico, repetindo-se se em eco.Ler mais aqui

    21. Altough this book was written before "Budapeste", I've read it after. Both books are very similar in the way they were written. And the similarity is beyond the author's style. That's the reason why I didn't like it so much.

    22. é um pequeno romance que poderia ser um conto. o Chico se arrasta tanto no delírio do sonho que tem uma hora que o leitor quer mais é que ele acorde pro livro terminar. bom até a metade, depois fica realmente chato.

    23. Um livro esquizofrênico e perturbador (embora talvez um pouco confuso), mas muito bom, na minha opinião - muito melhor do que ler algo brega, sem qualquer originalidade.

    24. Nunca ninguém foi tão feliz ao escolher um título para um livro. Confuso, muito confuso, ainda bem que dá para ser lido rápido. Só fui compreender o enredo alguns anos depois assistindo ao filme.

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *